• AP Refrigeracao

O "novo normal" nas empresas

Em especial na AP Refrigeração

Identificado primeiramente na China, o vírus Sars Cov 2, responsável pela Covid 19, se espalhou rapidamente pelo mundo entre janeiro e fevereiro de 2020, chegando com força ao Brasil no início de março do mesmo ano. A partir daí foi inserido no vocabulário do brasileiro um termo até então desconhecido, o famoso “lockdown”. Sua rápida disseminação associada a letalidade e necessidade intensiva de cuidados médicos levou o mundo ao maior desafio sanitário desde a pandemia da “Gripe Espanhola” (1917-1918). Seu impacto pôde ser sentido nas estruturas sociais e refletido com grande intensidade nas estruturas comerciais ao redor mundo, forçando com que empresas fossem, literalmente, obrigadas a se reinventar em questão de dias. Fato é que muitas empresas não conseguiram se adaptar ao chamado novo normal e outras sequer tiveram chance de tentar, sendo imediatamente fulminadas pelos impactos da pandemia da Covid 19.


Utilizado inicialmente em 2009, o termo “novo normal” foi elaborado para se referir as rupturas estruturais causadas pela recessão financeira daquele período. Hoje a expressão ganha nova interpretação, fazendo uma alusão ao nosso presente e futuro enquanto “sobreviventes da Pandemia”. Entretanto, pensar no futuro é coisa antiga na AP Refrigeração. Devido às medidas de restrição de mobilidade, fechamentos e isolamento social, o trabalho remoto acabou sendo adotado pelas empresas brasileiras muito mais pela necessidade do que por algo planejado. Mas na AP este movimento vem sendo estruturado desde 2016, quando investimos na elaboração de um sistema próprio operado por rede. Além disso investimentos ao longo dos anos propiciaram uma estrutura adequada, tais como distribuição de smarts phone’s para todas as nossas equipes e colaboradores do administrativo, substituição dos computadores de mesa por notebook’s, sistema em rede baseado em nuvem, digitalização dos processos, automação das rotinas, modernização do sistema de telefonia e etc.


Todos esses investimentos já tinham como objetivo oferecer agilidade, flexibilidade e qualidade de vida e trabalho aos nossos colaboradores, independente da pandemia. Com a chegada efetiva da Covid 19 em março de 2020 a AP Refrigeração já possuía uma estrutura que permitiu transferir nossas operações para home office em apenas um final de semana e sem prejuízos à prestação de serviço.


Nesse contexto, baseado em nossa estrutura prévia, a AP Refrigeração pôde manter suas operações com alto grau de eficiência, mantendo o atendimento personalizado a cada um de nossos clientes. Com as medidas de manutenção da operação rapidamente resolvidas a AP Refrigeração também se destacou na adoção de medidas sanitárias, sendo pioneira em algumas delas, tais como testagem em massa dos colaboradores, higienização antiviral de nossas ferramentas, de nossas instalações e veículos, afastamento preventivo de casos suspeitos (sem desconto nos vencimentos), apoio psicológico e financeiro aos colaboradores, implantação de novos EPI’s e também oferecendo tratamento antiviral nas manutenções de ar condicionado. Nesse período a AP Refrigeração também ampliou sua frota, dando mais agilidade às equipes e diminuindo a necessidade de deslocamento por meio de transporte público de nossos técnicos.


Podemos hoje avaliar que nossas medidas para preservação da saúde de nossos colaboradores e de nossa comunidade renderam bons resultados. Apesar de casos isolados, não registramos surto de contaminação entre nossos colaboradores e nenhum caso externo vinculado a AP Refrigeração.


Certos de que vamos superar a crise causada pelo novo Coronavirus, a AP Refrigeração segue investindo em pessoal, estrutura e processos. Hoje somos uma referência para o setor no Rio de Janeiro, sendo inclusive procurada por outras empresas para compartilhar nossas práticas, algo que em meio a um contexto tão complicado, nos orgulha muito. E assim a AP Refrigeração segue para o “novo normal”, acreditando que nossas estruturas devem ser cada vez mais ágeis, flexíveis e criativas, que nosso mercado exigirá cada vez mais competitividade e que as pessoas estão no centro de tudo.